4 de novembro de 2015

Olga Nur troca tradição pela vanguarda


O Olga Nur abriu suas portas em julho deste ano com toda pompa e circunstância. No mesmo endereço onde funcionava o distinto e controverso O Dádiva, apostou suas fichas no prestígio do cozinheiro Erick Jacquin, aquele gordinho do Master Chef. Chamou atenção e ganhou espaço na mídia, mas o cardápio conservador de Jacquin acabou abreviando a parceria entre o restaurante e o jurado da TV. Ninguém fala isso, mas estava "queimando o filme".

O Olga investiu na cozinha contemporânea com um novo menu assinado por seu próprio chef executivo, Rodrigo Viana. E o resultado não poderia ser melhor: agora, há uma sinergia entre ambiente, serviço e cardápio. "Para criarmos este menu seguimos novas vertentes culinárias, mantendo nosso foco naquilo que clientes mais valorizam", conta Viana. "Uma preocupação que tivemos foi chegar em um compromisso entre qualidade e criatividade, que não sacrificasse o preço".

A decoração inovadora, o atendimento profissionalíssimo e as criações do chef falam a mesma língua, o idioma da modernidade. Sua autonomia ganha destaque desde o montadito de filé ovos e flor da sal (R$ 39), uma entrada realmente mágica, passando pelo creme de ervilhas frescas com burrata (R$ 37) e pelo nhoque de batata baroa recheado com queijo brie e confit de tomates (R$ 94), até chegar à lagosta ao molho de mostarda e mel com champignons (R$ 99) - a opção mais criativa, saborosa e farta. 

São, ao todo, cinco opções de entrada (que também incluem as saladas de polvo braseado, aiolí e pesto de rúcula; de chevre quente, com lâminas de pêras e amêndoas coradas; o carpaccio de salmão defumado na casa, com guacamole e merken) e nada menos que 16 sugestões para prato principal, com destaque para o filé e escalope de foie gras com arroz vermelho e hortelã (R$ 79), que experimentamos e aprovamos.


Com o mercado gastronômico desaquecido, o chef também criou pratos para serem compartilhados, como o guioza de pato e pupunha, levemente picante ao molho de gengibre e mascavo; o prato de queijos variados ao melaço de cana; e os gogumelos recheados com camarão e queijo de cabra - além do montadito, que já está mais do que recomendado. "Os clientes que vêm ao Olga Nur querem uma experiência completa e, para proporcioná-la, também realinhamos nossa carta de vinhos para atendê-los com rótulos de ótima qualidade e preços justos", pontua o consultor da casa, Matheus Murthê.

E essa leitura realista do momento que o setor atravessa só trouxe ganhos. Afinal, o restaurante vendeu nada menos que 180 garrafas de vinho em um único dia, recentemente. E como ninguém pode ir embora sem adoçar a boca, as sobremesas incluem desde o tradicional petit gatêau até misturas criativas, como churros de banana com doce de leite e profiteroles de maçã e caramelo com especiarias (R$ 23) - nossa indicação.

Para além do que se come e bebe, outra boa notícia é que o restaurante agora está aberto para almoço também às sextas-feiras. É verdade que a maioria dos pratos têm preços acima da média de BH, mas, sem dúvida, vale a pena conhecer o Olga!

Olga Nur
Rua Curitiba, 2202
Lourdes