25 de fevereiro de 2015

Duke n Duke Maletta


Na semana passada, conhecemos a unidade do Duke no Maletta: a casa segue o padrão da matriz, do ambiente ao cardápio. A diferença é que o novo espaço é bem maior – tem dois andares e salões mais amplos. Como era carnaval, poucas mesas no primeiro andar estavam ocupadas e o segundo estava deserto, mas vale a pena ficar por lá em dias mais cheios. Tínhamos um garçom praticamente só pra gente, o Renato, então o atendimento foi excelente. As cervejas chegaram rápido, os pedidos foram anotados corretamente e também não demoraram, a conta foi instantânea.

Estávamos em dúvida sobre quais sanduíches iríamos escolher quando o Renato nos sugeriu um que não está no cardápio: o Gainsbourg, que participou da última edição da Festa Francesa e que a casa ainda está fazendo por tempo limitado. É claro que topamos experimentar na hora! Montado no pão de sal, ele leva burger de picanha, cream cheese, alface americana, alho poró e cogumelos paris flambados no vinho branco. Pedimos que a carne viesse ao ponto, e ela estava exatamente como queríamos. O sabor da picanha é que não estava muito destacado. O cream cheese que cobria toda a superfície do hambúrguer foi bem derretido e envolveu as lâminas de champignon e as fatias de alho poró. Aqui não houve uma explosão de sabores como nos outros sanduíches, mas tudo foi preparado com tanto capricho e combinou tão bem que o conjunto foi nota 10. Para acompanhar, uma montanha de batatas chips bem crocantes.


Nosso outro pedido foi um Charles, novidade no cardápio desde o final do ano passado. O sanduíche criado em comemoração aos 4 anos do Duke leva hambúrguer de picanha Red Angus com molho chimichurri, bacon, cream cheese defumado no tabasco, cubos de tomate, alho poró e alface americana com vinagrete italiano (R$ 39,90). Nossa expectativa em relação à carne era grande mas, fora o preço, não vimos muita diferença da picanha de Red Angus para a normal. Ela estava suculenta e veio ao ponto, conforme pedimos, mas tinha sabor inexpressivo. Achamos até que faltou um temperinho, já que o molho chimichurri também não apareceu. As fatias de bacon estavam gostosas e combinaram muito bem com o delicioso creme formado pelo cream cheese, o tomate e o alho poró. Quem não gosta de pimenta, como eu, também acharia que a quantidade de molho tabasco foi um pouco exagerada, mas nada que prejudicasse o sabor do sanduíche. Para acompanhar, pedimos as batatas tradicionais com sal, que são sempre boas!


Vamos voltar?
Sim! A segunda unidade do Duke não perde em nada para a primeira, e ainda é maior e mais espaçosa. Imagino que ela também fique cheia nos finais de semana mas, pelo menos nessa primeira visita, o atendimento foi incomparável. Da próxima vez, vamos nos sentar no andar de cima, que consegue ser mais charmoso do que o primeiro!

Duke n Duke
Av. Augusto de Lima, 245
Centro

20 de fevereiro de 2015

Duke n Duke Savassi


O Duke n Duke já é tão famoso e tão querido por tanta gente que dispensa apresentação, né? Nós, que somos apaixonados por hambúrguer, também achamos que os de lá estão entre os melhores de BH. A pequena unidade na Savassi tem ambiente escurinho, com luz baixa bem em cima das mesas, suficiente para criar um clima bastante intimista. Só não é mais aconchegante porque o ar condicionado é sempre muito forte. Das caixas de som saem clássicos do rock, do jazz e do blues.

A casa tem capacidade para 40 pessoas e, apesar de quase sempre estar lotada, tem atendimento eficiente. Os pedidos não saem rápido, mas a cerveja está sempre gelada e os pratos são montados com cuidado. No cardápio, além das entradas tradicionais, os sanduíches diferenciados são batizados com nomes de alguns dos músicos de todos os tempos. Todos os burgers acompanham batatas fritas artesanais - aquelas mais gordinhas, crocantes por fora e macias por dentro - ou chips. O tempero pode ser cítrico, picante ou sal normal.

Como já sabíamos que os sanduíches seriam grandes, pulamos a entrada. Nossa primeira escolha foi um Armstrong: pão de hambúrguer, burger de picanha, queijo prato, bacon, cebola roxa, home sauce e alface americana (R$ 29,90). Sem muita invencionice, essa combinação agrada principalmente pela qualidade dos ingredientes. A carne de 180g estava suculenta, bem temperada e coberta por uma camada generosa e derretida de queijo. Ao invés de um simples molho de tomate, o home sauce era feito com pedaços de tomate assados, macios e levemente temperados, que fizeram toda a diferença. As tirinhas de bacon, sempre gostosas, equilibraram a quantidade de sal no sanduíche e a cebola, cortada em rodelas grandes, era fácil de dispensar.


O segundo pedido do dia foi um Getz, feito com pão de sal redondo, burger dupla face de picanha e linguiça de lombo, campanha de pimenta biquinho e cebola cristal, queijo canastra e alface americana (R$ 32,90). Decidimos por esse porque nunca tínhamos experimentado um hambúrguer de linguiça de lombo, e valeu a pena. A metade mais clara do disco era leve, saborosa e nada gordurosa, e combinou bem com o queijo canastra derretido. O molhinho feito com pimenta biquinho e cebola estava bem suave – dava para sentir o gosto da pimenta de longe, e a cebola também não era exagerada. Para acompanhar os dois pratos, pedimos batatas fritas rústicas, que também estavam ótimas - crocantes por fora e macias por dentro – temperadas com sal.


Vamos voltar?
Com certeza! O Duke n Duke é o lugar ideal para uma sexta-feira à noite. Tem boas opções de cervejas, entradas e, claro, sanduíches. Não é barato, mas os preços também não são absurdos e a qualidade é indiscutível. A dica é chegar mais cedo, porque a casa é pequena e sempre tem fila de espera.

Duke n Duke
Rua Alagoas, 1470
Savassi

12 de fevereiro de 2015

Taberna Livorno


Na semana passada, conhecemos a Taberna Livorno, um misto de restaurante, adega e delicatessen bem interessante que abriu recentemente no bairro Castelo. No salão principal, além das duas grandes paredes cobertas por mais de 200 garrafas de vinho, cervejas especiais e espumantes, há uma mesa comprida de madeira, ideal para se sentar e escolher com calma os rótulos que você quer experimentar. O salão interno é mais iluminado e decorado com tons mais sóbrios e elegantes, com mesas e cadeiras em madeira escura. Os vasinhos com flores coloridas em cima de cada mesa dão vida ao ambiente, e o piano, comandado pelo Seu Onofre, é uma atração à parte.

O atendimento foi ótimo do início ao fim - funcionários solícitos, embora sumissem de vez em quando, chef muito simpático e a proprietária, Valéria, é um amor de pessoa e nos recebeu super bem.

No cardápio há boas opções de entradas, massas, carnes e peixes. Algumas combinações, inclusive, são criações do chef Sidney Castro e valem ser experimentadas. Para começar, pedimos um mix de bruschettas (R$ 35) com quatro sabores. O primeiro que experimentamos, de salaminho com mostarda, era bem simples, mas estava gostoso. Mais simples e ainda melhor foi o de tomate, que estava bem vermelhinho. O de morango com queijo brie surpreendeu e foi o mais gostoso!


O primeiro prato principal foi uma generosa posta de bacalhau com batatas ao creme, azeitonas pretas e tomate. O peixe estava bem sequinho, macio e tinha sal na medida certa. As batatas, cozidas e cobertas por um molho branco encorpado e muito saboroso, estavam ótimas. Tomatinhos assados e azeitonas pretas completavam o prato muito bem executado e que, na nossa opinião, só pecou pelo excesso de lâminas de alho fritas em cima do bacalhau.


Nossa outra escolha foi o risoto de camarão VG, que também estava muito gostoso. O ponto do arroz al dente e a consistência mais sequinha agradaram muito, assim como a quantidade, a textura e o sabor dos camarões. Para ficar ainda melhor, o tempero suave poderia ter sido complementado com um pouquinho de pimenta do reino.


No final, ainda sobrou espaço para a sobremesa. A panna cotta com calda de frutas vermelhas que pedimos para dividir estava boa - o creme estava molinho e a calda com pedaços de fruta parecia bem fresquinha, mas achamos que faltou alguma coisa. Talvez um pouquinho de baunilha... Da próxima vez, vamos experimentar o alfajor líquido!


Vamos voltar?
Sim! Além da boa comida e da simpatia de todos os funcionários, a Taberna Livorno tem ambiente super agradável e um climinha romântico bem especial, do tipo que é difícil de encontrar em outros restaurantes de BH.

Taberna Livorno
Avenida Tancredo Neves, 2309
Castelo