2 de janeiro de 2015

Glouton


Sempre que passava na porta do Glouton, eu comentava que morria de vontade de conhecê-lo. A fachada do restaurante é linda e encantadora, com vasos de planta, mesas brancas e guarda sóis vermelhos que criam um ambiente mais do que aconchegante - ideal para um jantar romântico ou um encontro com as amigas. Além do salão principal, onde predominam tons sóbrios e elegantes tanto nas paredes quanto na decoração, a casa tem uma varanda simpática e mais descontraída nos fundos. No dia de nossa visita, preferimos nos sentar na área interna, de frente para a cozinha. Como as paredes são de vidro, podemos ver o chef e sua equipe preparando os pratos.

O cardápio é pequeno, porque os pratos mudam de acordo com a disponibilidade e preços dos ingredientes, mas é completo. Além das 15 opções de entradas e petiscos bastante variados, há oito pratos principais que combinam ingredientes tradicionais da cozinha francesa e elementos tipicamente brasileiros. O menu alterna pratos com carne de porco, galinha, boi, peixe, camarão e bacalhau. Ou seja, tem comida para todos os gostos! Para começar, pedimos pintxos de polvo à galega (R$ 35), uma escolha simples e deliciosa que nos conquistou pela apresentação. Os pedaços de polvo estavam no ponto certo de cozimento, macios e saborosos, e combinavam perfeitamente com as mini batatinhas.



O primeiro prato principal que escolhemos foi o entrecôte ao molho bordelaise com batatinhas coradas (R$ 62), que estava delicioso. A carne enorme, alta e suculenta veio como pedimos, ao ponto para mal passada, e estava tão macia que eu não imagino como poderia ser melhor. O molho à base de vinho ia bem tanto com o entrecôte quanto com a generosa porção de batatinhas. Por mais que essa pareça uma receita comum, sem grandes dificuldades em sua execução, não tenho dúvida de que foi a melhor carne com batatas que eu já comi.


Nossa outra escolha foi o bacalhau com cebola confitada no azeite, batata ao murro, tomatinho e azeitona (R$ 65), que é irretocável. A posta grande, branquinha e saborosa de bacalhau estava em cima de uma cama de batatas cozidas temperadas com azeite e, só com os tomatinhos e as azeitonas pretas, já ficaria uma delícia. Mas as cebolas confitadas, o toque do chef Leonardo Paixão, fizeram toda a diferença e elevaram o sabor do prato a um nível que não imaginávamos. O sabor adocicado quebrou a acidez e o gosto forte da cebola, que até pura estava boa. Surpreendente, leve e delicioso, esse é um prato que vale a pena ser experimentado e repetido.


De sobremesa, pedimos o famoso creme brulée com baunilha de Madagascar (R$ 18) para dividir. Muito bem preparado, o doce chegou à mesa em temperatura ambiente, exceto pela casquinha fina e crocante. O que mais nos chamou a atenção foi o gosto suave da fava de baunilha.


Vamos voltar?
Com certeza! O Glouton reúne todas as características que são importantes para a nossa avaliação. Atendimento eficiente, garçons simpáticos, apresentação impecável dos pratos, receitas criativas e ingredientes de qualidade. Não é a toa que a casa vem colecionando prêmios de melhor restaurante e melhor chef.

Glouton
Rua Bárbara Heliodora, 59
Lourdes

Nenhum comentário:

Postar um comentário